Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Geradoras elétricas brasileiras investem em ações e projetos ambientais e sociais
21/08/2020 10:20 em Ambiente

JORNAL DA ILHA - Ambiente

Ilha Solteira - Empresas do setor elérico brasileiro, entre elas, CTG Brasil e AES Tietê estão investindo em projetos na área de preservação do meio ambiente, com o compromisso de ampliar investimentos em ações socioambientais.

A CTG Brasil, controlada pela gigante China Three Gorges Corporation, anunciou que, mesmo com a crise, deve manter o nível de investimentos em projetos socioambientais em 2020. A previsão é que os valores atinjam pelo menos R$ 29,8 milhões, mesmo valor destinado à área em 2019. A CTG Brasil mantém 130 programas ambientais, que envolvem ações de preservação da biodiversidade e dos recursos hídricos, reflorestamento e manutenção de áreas de preservação permanentes, monitoramento ambiental e iniciativas de educação ambiental.

Também voltada à geração renovável, a AES Tietê investiu até agora, em 2020, R$ 6 milhões em ações ambientais, entre elas o repovoamento de peixes, o plantio de árvores nativas e o monitoramento de animais silvestres. Em uma das iniciativas concluídas neste ano, a companhia fez o repovoamento nos reservatórios de hidrelétricas com 2.500.000 alevinos (filhotes de peixe) que pertencem aos rios Tietê, Pardo, Mogi e Grande. A Tietê também concluiu, em 2020, a construção de um apiário em Anhembi (SP) e ainda tem programada outras seis instalações do tipo.

A EDP Brasil também aproveitou a data temática para anunciar sua adesão ao “Business Ambition for 1,5ºC – Our Only Future”, campanha da ONU que convida empresas a reduzirem suas emissões com o objetivo de garantir que o aquecimento global não exceda 1,5°C. Pela iniciativa, o braço da portuguesa EDP se compromete que, até 2030, 100% de sua geração de energia no país virá de fontes renováveis. A companhia também aderiu ao “Recover Better”, iniciativa global que propõe a governos e empresas alinhar seus esforços de recuperação e ajuda econômica relacionados à crise da covid-19 com base nos mais recentes estudos climáticos.

COMENTÁRIOS